Acordeões do Mundo



Mensagem do Director

"Quando me sento a escrever versos
Ou, passeando pelos caminhos ou pelos atalhos,
Escrevo versos num papel que está no meu pensamento,
Sinto um cajado nas mãos
E vejo um recorte de mim
No cimo dum outeiro,
Olhando para o meu rebanho e vendo as minhas ideias,
Ou olhando para as minhas ideias e vendo o meu rebanho,
E sorrindo vagamente como quem não compreende o que se diz
E quer fingir que compreende."

O Guardador de Rebanhos
Alberto Caeiro (heterónimo de Fernando Pessoa)

 

A XII edição, o Festival Acordeões do Mundo irá decorrer entre os dias 27 de Outubro e 14 de Novembro, integrada na programação das Festas da Cidade de Torres Vedras de 2015. É um momento apetecido por todos. O Festival Acordeões do Mundo acompanha todos os anos as celebrações da cidade, fidelizando, progressivamente, os seus públicos, funcionando como um projecto cultural e artístico autónomo, pólo agregador de sensibilidades e um marco para o nosso território.

Tendo o acordeão como protagonista, o desenvolvimento e a continuidade desta iniciativa tem sido pensada no equilíbrio entre o sentir de uma identidade fundada na ruralidade mesclada com uma sensibilidade contemporânea. Por um lado, procuramos perspectivar o acordeão numa dinâmica artística contemporânea, apresentando as suas possibilidades e diferentes modos de interpretação e, por outro, tentamos preservar e promover a história do acordeão - um instrumento, tão relacionado com a nossa região e com os importantes traços da ruralidade que, felizmente, ainda persistem nas nossas geografias paisagísticas e emocionais. O equilíbrio entre estas duas perspectivas da musicalidade do acordeão, tem vindo, ao longo de doze anos, a permitir o desenvolvimento de um festival com uma identidade própria, num ambiente de festa que se instala na cidade.

Nesta edição, contamos com dezanove castiças Merendas do Acordeão, a realizar em diversos estabelecimentos por toda a cidade e o Teatro-Cine de Torres Vedras recebe quatro concertos: Danças Ocultas & Orquestra Filarmonia das Beiras, Petar Maric e Aleksandar Nikolic, Mário Gatto Quartet e, para o encerramento, Celina da Piedade e Vozes do Cante, num espetáculo que será também uma justa homenagem ao Cante Alentejano, nosso património e da humanidade.

Executantes de renome nacional e internacional juntam-se em diálogos musicais, viajando por um diverso espectro de sonoridades, onde haverá espaço para abordagens mais tradicionais e telúricas, contrastando com uma performatividade contemporânea, experimental e sempre inovadora na exploração do instrumento. Nestes dias, em Torres Vedras, o Acordeão vai ser o Rei da festa e estamos todos convidados para, como diz o poeta, escrever versos num papel que está no nosso pensamento.

Bem Vindos ao XII Festival do Acordeão!

João Garcia Miguel, diretor do festival